Polícia prende suspeitos de usar máquina de cartão para vender drogas no DF

Mais Lidas

A falácia ad hominem: quando atacam sem argumentos

A falácia ad hominem, na lógica, caracteriza aquelas situações nas quais alguém decide nos atacar não pelos argumentos que...

Obter crédito ainda é desafio para micro e pequenas empresas | Policiamento Inteligente

Obter crédito nas instituições financeiras ainda é um desafio para pequenas e médias empresas. É o que revela pesquisa...

Rafael Prudente é reeleito para a presidência da Câmara Legislativa – Rafael Prudente

Em sessão extraordinária na manhã desta terça-feira (15), o plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal reelegeu os deputados...

 

A Polícia Civil prendeu, nesta sexta-feira (31), quatro suspeitos de tráfico de drogas na região de Ceilândia Norte, no Distrito Federal. Segundo as investigações, dois irmãos que faziam parte do grupo ve

Distribuidora

Na casa onde os suspeitos foram presos, na QNR 01, a polícia encontrou dois quilos de cocaína, uma balança de precisão, uma arma de fogo, dois carros, uma motocicleta e R$ 6 mil em dinheiro.

Segundo o delegado, no prédio de três andares funcionava a base da quadrilha para distribuição das drogas. No local havia uma espécie de “terraço”, onde os suspeitos tinham uma vista privilegiada da quadra.

“Dois irmãos comandavam o tráfico na região e construíram um prédio que utilizavam como torre de vigilância”, afirmou Leonardo. O objetivo, explicou o delegado, era “alertar os comparsas sobre eventual aproximação da polícia.”

Já no térreo, funcionava uma distribuidora de bebidas, supostamente administrada pelo mesmo grupo. A Polícia Civil diz, no entanto, que o estabelecimento aceitava apenas pagamento em dinheiro, de forma diferente das transações para venda de drogas.

ndiam os entorpecentes e recebiam o pagamento por meio de uma máquina de cartão de débito e crédito.

A negociação acontecia por meio digital para “não haver movimentação de dinheiro e facilitar o troco”, disse ao G1 o delegado da Coordenação de Repressão às Drogas, Leonardo de Castro.

“Eles entregavam a droga de carro, e perguntavam aos clientes se queriam pagar no crédito ou no débito, tudo para facilitar para eles.”

Neste sábado (1º), um dia após a prisão, o delegado informou que fará um pedido para quebra de sigilo bancário do proprietário do equipamento e, assim, descobrir detalhes da movimentação financeira. “Ficamos supresos com a inovação”, afirmou.

Fonte:G1

- Publicidade-

Últimas Notícias

A falácia ad hominem: quando atacam sem argumentos

A falácia ad hominem, na lógica, caracteriza aquelas situações nas quais alguém decide nos atacar não pelos argumentos que...

Obter crédito ainda é desafio para micro e pequenas empresas | Policiamento Inteligente

Obter crédito nas instituições financeiras ainda é um desafio para pequenas e médias empresas. É o que revela pesquisa feita pelo Serviço de Apoio...

Rafael Prudente é reeleito para a presidência da Câmara Legislativa – Rafael Prudente

Em sessão extraordinária na manhã desta terça-feira (15), o plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal reelegeu os deputados Rafael Prudente (MDB) e Delmasso...

Profissionais das UTIs do Hospital São Pedro de Alcântara recebem a vacina Coronavac. | Prefeitura Municipal de Goiás

Na manhã desta quarta-feira, 20/01, o Prefeito de Goiás Aderson Gouvea, juntamente com a Vice-prefeita Zilda Lobo e o Secretário Municipal de Saúde Marcos...

PL 773/2019 – Institui o Selo Empresa Amiga de Pessoa com Deficiência | Deputado Iolando

Fonte: ACA “Fica instituído o “Selo Empresa Amiga da Pessoa com Deficiência “O selo será conferido às empresas que, comprovadamente, contribuem...
- Publicidade-

Notícias Relacionadas

- Publicidade-