Caesb compra novos equipamentos para monitorar água do Lago Paranoá

Mais Lidas

Profissionais das UTIs do Hospital São Pedro de Alcântara recebem a vacina Coronavac. | Prefeitura Municipal de Goiás

Na manhã desta quarta-feira, 20/01, o Prefeito de Goiás Aderson Gouvea, juntamente com a Vice-prefeita Zilda Lobo e o...

PL 773/2019 – Institui o Selo Empresa Amiga de Pessoa com Deficiência | Deputado Iolando

Fonte: ACA “Fica instituído o “Selo Empresa Amiga da Pessoa com Deficiência “O selo será conferido...

Os três estados do ego, de acordo com a análise transacional

A análise transacional é um método derivado da psicologia humanista proposto por Eric Berne nos anos 1950. Desde então,...

 

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) adquiriu novos equipamentos para o Laboratório de Água e Esgoto. Os aparelhos, segundo o órgão, vão otimizar a análise da água do Lago Paranoá.

O investimento é de R$ 1,5 milhão e foi necessário diante da utilização da água do lago para consumo humano – o procedimento começou em outubro de 2017, com a inauguração da Estação de Tratamento de Água do Lago Norte. A compra, de acordo com a Caesb, ocorreu por meio de um financiamento com o Banco Interamericano de Desenvolvimento.

“Nós estamos concluindo a primeira etapa do plano de modernização dos laboratórios de Água e Esgoto da Caesb. Com essa primeira etapa, temos condições de fazer todas as análises que já fazíamos antes, mas com um padrão de qualidade bem maior”, disse o analista de sistema de saneamento da companhia, Fernando Garcia.

Entre os cinco equipamentos adquiridos, está o espectrofotômetro, que faz a análise da água com feixes de luz. Ele atua como um scanner: suga a amostra de água e, após uma varredura do material, mostra na tela se a quantidade da substância usada para tratar a água está ou não dentro dos padrões.

Manchas de óleo

Em outubro de 2013, foi derramado no Lago Paranoá o óleo que era usado pelas caldeiras do Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Na época dos vazamentos, foi necessário esperar os resultados das análises da água realizadas pelo Ibram e a pela Universidade de Brasília (UnB) para identificar a substância despejada no lago.

A varredura da Caesb demorava até dois dias para ficar pronta. No entanto, com esses novos equipamentos, é possível detectar a quantidade de óleo na água em 15 minutos.

Por causa desse ocorrido, o Ministério Público do Distrito Federal abriu ação na Justiça contra o governo local e uma empresa contratada. Segundo o processo, o MP pede que o governo e a empresa paguem indenização por danos materiais e morais coletivos, causados ao meio ambiente”.

O caso será julgado pelo Tribunal de Justiça do DF, e não há data prevista para essa análise.

Fonte: G1DF

- Publicidade-

Últimas Notícias

Profissionais das UTIs do Hospital São Pedro de Alcântara recebem a vacina Coronavac. | Prefeitura Municipal de Goiás

Na manhã desta quarta-feira, 20/01, o Prefeito de Goiás Aderson Gouvea, juntamente com a Vice-prefeita Zilda Lobo e o...

PL 773/2019 – Institui o Selo Empresa Amiga de Pessoa com Deficiência | Deputado Iolando

Fonte: ACA “Fica instituído o “Selo Empresa Amiga da Pessoa com Deficiência “O selo será conferido às empresas que, comprovadamente, contribuem...

Os três estados do ego, de acordo com a análise transacional

A análise transacional é um método derivado da psicologia humanista proposto por Eric Berne nos anos 1950. Desde então, sofreu algumas variações, mas a...

O FARO INFALÍVEL DA DARA | Policiamento Inteligente

Sábado (16), os policiais miliares do 5º Batalhão de Polícia de Choque – Canil, em Operação de Combate ao Tráfico de drogas, pela Rua...

Ação integrada leva tranquilidade ao Enem – Agência Brasília

Acompanhamento em tempo real foi feito no Ciob | Foto: Divulgação/SSPA aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), ocorrida neste domingo...
- Publicidade-

Notícias Relacionadas

- Publicidade-