Estudante de Medicina é morta por asfixia pelo namorado

Mais Lidas

DF tem mais um recorde de oferta de emprego – Agência Brasília

Oportunidades: 305 vagas para esta terça-feira (8) No comércio, a oferta é de 185 vagas. Para quem...

Com programa na rádio líder de audiência no DF deputado Hermeto comemora dia do radialista – Deputado Hermeto

Com programa na rádio líder de audiência no DF deputado Hermeto comemora dia do radialistaPublicado por Larissa do Vale...

É o fim – Blog Geração de Valor

De tempos em tempos precisamos reavaliar nossa rota, saber se realmente no caminho que estamos...
Reprodução/Facebook

O suspeito, de 27 anos, se matou após o crime

A estudante de Medicina Marília Camargo de Carvalho, de 25 anos, foi encontrada morta na manhã deste domingo, 8, em Campinas, no interior de São Paulo. O principal suspeito é o namorado da jovem, Rafael Moraes Garcia, de 27 anos, que cometeu suicídio após o crime. O caso é o segundo feminicídio registrado no Estado de São Paulo em menos de 24 horas.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo, a Polícia Militar chegou ao local por volta das 7h10, quando encontrou o corpo de Rafael no quintal do condomínio em que morava, no bairro Jardim Aurélia.

A Polícia Militar arrombou o apartamento do rapaz, localizado no 16º andar. No local, encontrou o corpo de Marília, que apresentava sinais de asfixia.

O caso foi registrado como feminicídio no plantão do 1º Distrito Policial de Campinas e será investigado pelo 3º Distrito Policial. No apartamento, foram apreendidos dois notebooks, dois celulares e um tablet, que foram encaminhados para a perícia. Os corpos de Marília e Rafael também serão periciados.

Por meio de nota, a Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) lamentou a morte de Marília, que cursava Medicina na universidade. “A Reitoria da PUC-Campinas, as Diretorias do Centro de Ciências da Vida e da Faculdade de Medicina e toda a comunidade universitária lamentam profundamente a perda da aluna e se solidarizam com a dor da família”, diz a nota.

Capital

O outro feminicídio registrado no Estado ocorreu na zona norte da cidade de São Paulo. Por volta das 23 horas de sábado, 7, o cabo Renan da Silva Azevedo, de 31 anos, matou a soldado Lourdes Patrícia de Campos Lopes, de 33 anos, com quem mantinha um relacionamento conjugal.

Após o crime, o policial cometeu suicídio. O caso ocorreu na Avenida Maria Amália Lopes de Azevedo, na Vila Albertina, e é investigado pelo 43º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (43º BPM/M).

Fonte : JORNAL DE BRASÍLIA

- Publicidade-

Últimas Notícias

DF tem mais um recorde de oferta de emprego – Agência Brasília

Oportunidades: 305 vagas para esta terça-feira (8) No comércio, a oferta é de 185 vagas. Para quem...

Com programa na rádio líder de audiência no DF deputado Hermeto comemora dia do radialista – Deputado Hermeto

Com programa na rádio líder de audiência no DF deputado Hermeto comemora dia do radialistaPublicado por Larissa do Vale em 21 de setembro de...

É o fim – Blog Geração de Valor

De tempos em tempos precisamos reavaliar nossa rota, saber se realmente no caminho que estamos seguindo iremos alcançar nossos objetivos....

A hostilidade em um relacionamento: o prelúdio do fim

A hostilidade é uma atitude de desprezo para com uma ou mais pessoas com a intenção consciente de fazer mal. Essa intenção pode ser...

Botafogo vence Vasco e leva vantagem para volta da Copa do Brasil | Policiamento Inteligente

O Botafogo saiu na frente no duelo com o Vasco pela quarta fase da Copa do Brasil. Em...
- Publicidade-

Notícias Relacionadas

- Publicidade-