Vôlei: brasiliense vai à Surdolimpíadas pela seleção feminina – Agência Brasília

Mais Lidas

Cobertura da quadra poliesportiva do Setor Rajadinha em Planaltina | Deputado Iolando

Nesta quinta-feira (22), o deputado Iolando participou de assinatura de termo técnico para o início das obras de cobertura...

Reconhecimento facial – Uma realidade agora no Distrito Federal – Deputado Hermeto

Reconhecimento facial – Uma realidade agora no Distrito FederalPublicado por Larissa do Vale em 21 de outubro de 202021...

Autoestima e HIV: além do estigma – A Mente é Maravilhosa

A autoestima tem sido considerada um fator chave para o bem-estar psicológico e para a saúde. No entanto, existem...

imagem02-12-2019-22-12-03
imagem02-12-2019-22-12-03
Equipe brasileira derrotou uma das principais potências da modalidade e conquistou a prata | Foto: Secretaria do Esporte e Lazer / Divulgação

O Brasil conquistou o vice-campeonato do Pan-Americano Feminino de Vôlei de Surdos após derrotar os Estados Unidos por 3 sets a 0. O resultado do jogo, disputado neste sábado (30/11) na Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB), garantiu à seleção canarinho uma vaga nas Surdolimpíadas de 2021. O trinfo contou com a ajuda da única atleta do Distrito Federal no grupo, a líbero Dyona Vilela, de 34 anos.

Leia também

imagem02-12-2019-22-12-06
imagem02-12-2019-22-12-06

Bolsa Atleta faz a diferença para esportistas do DF

A atleta comemora o fato ter conquistado a medalha de prata já em sua primeira convocação. “Na faculdade tive educação física adaptada e conheci o paradesporto, mas em momento algum eu tive contato com o desporto para surdos. Foi por meio da intérprete de Libras, Karol Amparo, que tomei conhecimento desse desporto à parte. Entrei em contato com o coordenador de vôlei de surdos, o Xandó, e ele me passou as informações necessárias. Fui para duas seletivas em São Paulo”, recorda.

Logo após as seletivas vieram as convocações, conta a atleta. “Foi uma realização pessoal por representar minha nação, no esporte que eu sempre pratiquei no anonimato. E ainda mais poder jogar em casa e mostrar toda a força desse movimento esportivo que poucos conhecem”, destaca Dyona, que é professora de educação física da Secretaria de Educação e dá aula no Centro Educacional do Vale do Amanhecer, em Planaltina.

Estrear no Pan-Americano com uma medalha de prata foi uma grande experiência, relata a jogadora. “Este campeonato foi fantástico. Uma soma de oportunidades, de descobertas, a união de toda a comunidade surda e seus colaboradores. Sensação de missão cumprida, de ter colaborado como pude dentro e fora de quadra para a conquista dessa prata”, arremata.

Dyona treina toda segunda-feira com o time feminino e, pensando nas competições internacionais, vai aumentar o ritmo de treino. “Para a fase preparatória do mundial, que acontecerá ano que vem na Itália, vou intensificar os treinos e o condicionamento físico. Vou me preparar para o mundial e as surdolimpíadas, já que a vaga brasileira está garantida, mas a minha, não. Agora é buscar o aperfeiçoamento e fazer por merecer para ser convocada”, promete.

Para Xandó, medalhista olímpico e coordenador das seleções de vôlei de surdos, a conquista teve saldo muito positivo, já que os Estados Unidos são uma grande potência na modalidade. “O evento foi extremamente importante para consolidar a seleção feminina no cenário internacional. Com a segunda colocação, o Brasil garante a participação no mundial de 2020 na Itália e a participação na Surdolimpíadas em 2021”, projeta.

Surdos no futsal

O 4º Mundial de Futsal de Surdos realizado em Winterthur, na Suíça, no mês passado foi palco de uma grande vitória da camisa verde e amarela. As alas esquerdas da seleção, Suzana Alves de Souza e Soraia Gomes da Silva, respectivamente titular e reserva, participaram do evento por meio do programa Compete Brasília.

“Foi muito bom. Estávamos muito focadas para garantir o resultado”, diz Suzana.

No masculino, o pivô fixo Ewerton Felipe Alves Resende conquistou a sétima posição do Mundial.

Surdos no Esporte

A Confederação Brasileira de Desportos dos Surdos é a entidade representante do esporte dos surdos no país. Os atletas filiados não estão ligados ao Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), pois têm condições de competir sem equipamentos específicos ou condições especiais. Por isso, não estão contemplados pela entidade, que reúne todas as confederações desportivas.

 

* Com informações da Secretaria do Esporte e Lazer

Fonte: agenciabrasilia.df.gov.br/2019/12/02/volei-brasiliense-vai-a-surdolimpiadas-pela-selecao-feminina

- Publicidade-

Últimas Notícias

Cobertura da quadra poliesportiva do Setor Rajadinha em Planaltina | Deputado Iolando

Nesta quinta-feira (22), o deputado Iolando participou de assinatura de termo técnico para o início das obras de cobertura...

Reconhecimento facial – Uma realidade agora no Distrito Federal – Deputado Hermeto

Reconhecimento facial – Uma realidade agora no Distrito FederalPublicado por Larissa do Vale em 21 de outubro de 202021 de outubro de 2020 ...

Autoestima e HIV: além do estigma – A Mente é Maravilhosa

A autoestima tem sido considerada um fator chave para o bem-estar psicológico e para a saúde. No entanto, existem certos grupos que, por uma...

Câmara Legislativa instala Frente Parlamentar Brasil-Brasília-China – Rafael Prudente

O presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Rafael Prudente do MDB, instalou oficialmente nesta quarta-feira (21), a Frente Parlamentar Brasil-Brasília-China. Criada para a...

Ônibus da Mulher segue atendendo por mais cidades – Agência Brasília

Ônibus da Mulher reforça o Outubro Rosa em Ceilândia e Samambaia Serviços em conjuntoAlém da orientação sobre o autoexame mamário e o...
- Publicidade-

Notícias Relacionadas

- Publicidade-