Destaques Lei que quebra patentes de vacinas é sancionada com...

Lei que quebra patentes de vacinas é sancionada com vetos

-

- Advertisment -

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quinta-feira (2) a alteração da Lei de Propriedade Industrial, que estabelece a quebra temporária de patentes de vacinas e insumos em períodos de emergência nacional ou internacional ou de reconhecimento de estado de calamidade pública na saúde, como é o caso da atual pandemia de covid-19. O projeto de lei que dispõe sobre a mudança foi aprovado pelo Congresso Nacional no último dia 11 de agosto e aguardava a sanção presidencial. 

De acordo com o texto do projeto, de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS), o detentor da patente ou do pedido dela, caso ainda não obtida, receberá o valor de 1,5% do preço líquido de venda do produto derivado em royalties até que seu valor seja definido.

Em caso de pedidos de patente, os valores somente serão devidos caso ela seja concedida. O pagamento corresponderá a todo o período da licença compulsória concedida a outros fabricantes não autorizados antes da quebra da patente.  

O licenciamento compulsório, termo técnico para a quebra de patente, será feito caso a caso, conforme a lei. Além disso, a quebra só poderá ser determinada pelo poder público na hipótese excepcional de o titular da patente se recusar ou não conseguir atender à necessidade local. 

“Assim, cabe ressaltar que esse licenciamento compulsório não será aplicado, no momento atual, para o enfrentamento da pandemia do coronavírus, uma vez que as vacinas estão sendo devidamente fornecidas pelos parceiros internacionais. Contudo, no futuro, caso exista um desabastecimento do mercado local, há a previsão legal para a possibilidade de aplicação da medida, em um caso extremo”, destacou a Secretaria-Geral da Presidência, em nota.

Vetos

O presidente decidiu vetar os dispositivos que obrigavam ao proprietário da patente efetuar a transferência de conhecimento e a fornecer os insumos de medicamentos e vacinas.

“Embora meritórias, essas medidas seriam de difícil implementação e poderiam criar insegurança jurídica no âmbito do comércio internacional, além de poder desestimular investimentos em tecnologia e a formação de parcerias comerciais estratégicas, havendo meios menos gravosos para se assegurar o enfrentamento desse tipo de crise”, justificou a Presidência.

Fonte: Agência Brasil

Latest news

Concerto em Brasília abre atividades pelos 200 anos da Independência

A Concha Acústica do Distrito Federal, em Brasília, será palco hoje (21), às 20h, de concerto gratuito da Orquestra Sinfônica do...

Larissa Manoela faz challenge sensual para mostrar look do dia: “Ela pode!”

  Recentemente, Larissa Manoela parou as redes sociais após compartilhar um vídeo de transformação ousadíssimo em sua conta do Instagram. Não...

Deputado Humberto Aidar comanda reunião ordinária híbrida da CCJ que acontece nesta terça-feira, as 14 horas

A Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ)  se reúne nesta terça-feira, 21, a fim de deliberar acerca de...
- Advertisement -

Copom inicia sexta reunião do ano para definir juros básicos

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) começa hoje (21), em Brasília, a sexta reunião do ano para definir a...

Delegada da Polícia Civil é proibida de entrar em loja e relata racismo

PCCE/Divulgação Ana Paula Barroso é delegada e relatou um episódio de racismo no Ceará Ana Paula...

Must read

- Advertisement -

You might also likeRELATED
Recommended to you