Destaques FAPESP respondeu aos desafios da pandemia sem comprometer o...

FAPESP respondeu aos desafios da pandemia sem comprometer o apoio às demais áreas

-

- Advertisment -

Agência FAPESP A nova realidade criada pela pandemia de COVID-19, o maior desafio da ciência nos últimos cem anos, afetou de forma significativa a atividade da FAPESP em 2020, mas não impediu que a Fundação seguisse financiando projetos nas demais áreas de pesquisa.

A FAPESP destinou, em 2020, R$ 978,3 milhões ao fomento de 21.233 projetos de pesquisa – 45% na área de Ciências da Vida, 37% na de Ciências Exatas e da Terra e Engenharias, 10% interdisciplinares e 7,5% na área de Ciências Humanas. Do total de projetos apoiados, 7.027 foram contratados no período, selecionados entre as mais de 19 mil propostas submetidas à Fundação no ano.

As pesquisas de longo prazo, realizadas, por exemplo, no âmbito dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs), de projetos Temáticos, da modalidade Auxílio à Pesquisa Jovem Pesquisador e também os projetos apoiados por meio de Auxílios Regulares, receberam 46% dos recursos, seguidas das bolsas regulares de formação de recursos humanos para ciência e tecnologia – da iniciação científica ao pós-doutorado, no país e no exterior –, que receberam 23% do total desembolsado no ano. Informações detalhadas desse investimento podem ser conferidas no Relatório de Atividades da FAPESP 2020, publicado hoje.

“Os resultados apresentados neste relatório demonstram a capacidade da FAPESP de responder rapidamente a uma situação de crise extrema – sem comprometer o fomento às demais áreas de pesquisa. A robustez da instituição será um fator central para apoiar a comunidade científica paulista no grande esforço de nossa sociedade para retomar o desenvolvimento e a normalidade após o controle da epidemia”, diz Marco Antonio Zago, presidente da FAPESP.

A pandemia de COVID-19, no entanto, impactou a demanda por bolsas e auxílios. O Relatório de Atividades mostra que os valores destinados pela FAPESP ao fomento foram menores do que os de 2019.

As restrições impostas à mobilidade internacional e nacional e os novos protocolos de segurança de muitos laboratórios implicaram na queda da submissão de propostas. Esses fatos levaram a Fundação a readequar o cronograma de vigência de bolsas e a flexibilizar os procedimentos de prestação de contas. A forte desvalorização cambial exigiu que a Fundação dilatasse momentaneamente os prazos de importações de equipamentos, que já voltaram ao ritmo pré-pandemia.

“As medidas tomadas em caráter emergencial e provisório tiveram como objetivo garantir compromissos financeiros de curto, médio e longo prazo com auxílios e bolsas já concedidos, de modo a se preparar para a retomada das atividades de pesquisa em São Paulo”, diz Carlos Américo Pacheco, diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da FAPESP.

Ainda assim, foram anunciadas 13 novas chamadas de propostas em parceria com organizações estrangeiras e firmados sete novos acordos internacionais de cooperação em pesquisa. A FAPESP fechou o ano com 208 parcerias vigentes com 167 organizações estrangeiras e 41 nacionais, que resultaram no apoio a 3.840 projetos de pesquisas desenvolvidos em colaboração: 2.392 projetos cofinanciados – num total de R$ 110,7 milhões – e 1.448 projetos apoiados exclusivamente pela FAPESP, totalizando R$ 99,3 milhões.

Especial COVID-19

A urgência no enfrentamento da COVID-19 exigiu mudanças importantes na agenda de fomento da FAPESP. O relatório traz um capítulo especial sobre as medidas adotadas, distribuídas ao longo de uma linha do tempo que destaca também algumas das pesquisas sobre a doença e o SARS-CoV-2 implementadas no período, além de medidas sanitárias de adequação operacional da instituição que permitiram manter ativas todas as áreas de suporte ao fomento e o atendimento à comunidade científica.

O capítulo Especial COVID-19, que também pode ser lido separadamente, destaca que, ainda em março de 2020, uma semana depois de a Organização Mundial de Saúde (OMS) ter reconhecido a pandemia, a Fundação mobilizou, por meio de editais, mais de 140 pesquisadores em universidades, institutos de pesquisa e em empresas para investigar o vírus SARS-CoV-2, até então desconhecido, buscar tratamentos efetivos para a doença e conter o contágio.

Como parte do programa da FAPESP de Pesquisa em Políticas Públicas para o Sistema Único de Saúde (SUS), em parceria com o Ministério da Saúde e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), foram aprovados oito projetos focados no fortalecimento das ações do SUS ante os desafios da COVID-19.

As iniciativas contemplaram também o compartilhamento de informações sobre a doença causada pelo novo coronavírus. Em junho, em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), o Grupo Fleury e os hospitais Sírio-Libanês e Israelita Albert Einstein, a FAPESP criou o primeiro repositório de acesso aberto do país com dados anonimizados de pacientes testados para COVID-19 em quatro hospitais e um laboratório de análises clínicas, com o objetivo de subsidiar pesquisas sobre a doença nas mais diversas áreas do conhecimento.

No fim do ano, tendo agregado novos parceiros – o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e a Beneficência Portuguesa de São Paulo –, o repositório congregava dados de 485 mil pacientes, aproximadamente 47 mil registros de desfecho e mais de 23 milhões de registros de exames clínicos e laboratoriais, abrindo enormes possibilidades de pesquisas relacionadas à doença em pacientes contaminados.

A Fundação apoia, desde 2020, os ensaios clínicos fase 3 da CoronaVac, imunizante produzido pelo Instituto Butantan, junto com a iniciativa Todos pela Saúde, do Itaú Unibanco, assim como as investigações relacionadas à resposta imune da vacina desenvolvida pela Universidade Oxford (Reino Unido) em parceria com a AstraZeneca, realizadas por pesquisadores da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-Unifesp).

Financia também oito projetos de desenvolvimento de vacinas contra o SARS-CoV-2: quatro na USP, dois no Instituto Butantan e dois em startups apoiadas pelo Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE). As vacinas estão ainda em estágio pré-clínico.

A Fundação teve, ainda, participação ativa no esforço global de combate à doença e nos planos de recuperação socioeconômica no pós-pandemia. Lançou, com a União Europeia, edital para a seleção de projetos com o objetivo de identificar novos agentes terapêuticos e sistemas de diagnóstico precoces, eficazes e confiáveis relacionados ao novo coronavírus. E integrou o grupo de dirigentes de agências de fomento de 25 países que contribuiu para a elaboração do United Nations Research Roadmap for the COVID-19 Recovery, a agenda de pesquisa das Nações Unidas para a recuperação pós-COVID-19, lançada em novembro de 2020, que elencou prioridades de pesquisas em áreas estratégicas para a reconstrução de um futuro mais justo, resiliente e sustentável, alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Em meio às restrições sanitárias, a FAPESP realizou 62 seminários on-line, entre março e dezembro de 2020, que reuniram, ao todo, mais de 11 mil pesquisadores do Brasil e do exterior, com destaque para a série “FAPESP COVID-19 Research Webinars”, realizada em parceria com o Global Research Council (GRC).

“Desde setembro de 2020, todas as solicitações de bolsas e auxílios submetidas à Fundação devem incluir um Plano de Gestão de Dados. O objetivo é tornar os dados de pesquisas mais acessíveis e replicáveis”, sublinhou Luiz Eugênio Mello, diretor científico da FAPESP.

Reforço à inovação

Ao lado das iniciativas direcionadas à COVID-19, a FAPESP reforçou em 2020 as iniciativas alinhadas a estratégia de fomento à inovação: adotou o fluxo contínuo na análise de projetos submetidos ao PIPE e criou uma modalidade de apoio suplementar a empresas inovadoras, o PIPE Invest, que prevê contrapartida de investidores privados em projetos maduros para o mercado, com o objetivo de acelerar a comercialização.

Em 2020, o PIPE investiu R$ 76,7 milhões em 1.305 projetos de pesquisa de pequenas empresas inovadoras. No ano, 213 empresas de 48 municípios paulistas tiveram 237 novos projetos PIPE contratados, além das bolsas vinculadas.

O fomento à inovação por meio do PIPE rendeu à FAPESP a terceira colocação no ranking 2020 do Top 20 Ecossistemas, elaborado pela 100 Open Startups, que mede anualmente o volume e a intensidade das relações de inovação aberta (open innovation) estabelecidas entre startups e empresas no Brasil.

Ainda na perspectiva do apoio à inovação, e no âmbito do programa Centros de Pesquisa em Engenharia (CPEs), a FAPESP firmou nova parceria com a GSK para a constituição de um Centro de Novos Alvos Terapêuticos em Oncologia (CONTD), o terceiro CPE em parceria com essa empresa.

No ano, dois novos CPEs iniciaram suas atividades: o Centro de Inteligência Artificial (C4AI), constituído em 2019 em parceria com a IBM e sediado no Centro de Inovação (Inova) da USP, e o Centro Brasileiro de Pesquisa em Água (BWRC), em parceria com a Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento de Campinas (Sanasa), com sede no Instituto de Química da Unicamp. No mesmo período, foi constituído o Centro Brasileiro para o Desenvolvimento na Primeira Infância, em parceria com a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal e com sede no Insper.

No final do ano, a FAPESP anunciou os resultados da chamada Ciência para o Desenvolvimento, para apoiar a criação de 12 centros de pesquisas voltados à solução de problemas nas áreas de saúde, segurança pública, alimentação e agricultura, desenvolvimento econômico, entre outras. Trata-se de uma abordagem nova, que articula pesquisas desenvolvidas em parceria por pesquisadores em universidades, secretarias de Estado, instituições públicas e privadas, no país e no exterior, e empresas, focadas em demandas sociais e econômicas do Estado de São Paulo.

Em 2020, a FAPESP celebrou os 20 anos do Programa BIOTA, contabilizando 293 auxílios e bolsas de pesquisa concedidos a mais de 1.200 pesquisadores e que resultaram em mais de 3 mil artigos científicos publicados. Ao longo desse período, o BIOTA não só ampliou a compreensão sobre a biodiversidade, como também proporcionou embasamento científico para a criação de diretrizes de conservação e, em especial, para a fundamentação de políticas públicas.

Cumprindo seu papel de divulgar informações para a sociedade, a FAPESP criou um site com informações sobre projetos de pesquisa e de novas tecnologias relacionadas à COVID-19, promoveu uma série de seminários para o grande público, no âmbito de uma parceria entre a Agência FAPESP e o Instituto Butantan, e publicou, na revista Pesquisa FAPESP, o Guia da COVID-19, com informações sistematicamente atualizadas sobre a doença.

A repercussão dos resultados dos projetos apoiados pela FAPESP, divulgados por seus veículos de comunicação – Agência FAPESP, boletim Pesquisa para Inovação, revista Pesquisa FAPESP –, gerou a publicação de 42,5 mil notícias na imprensa, um aumento de 33%: crescimento de 37% na mídia nacional e de 13% nos veículos internacionais. Desempenho semelhante foi registrado nas redes sociais.

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

Fonte: Governo de SP

Latest news

Paulo Trabalho pleiteia disponibilização de atendimento em Libras nas empresas de call center

As empresas de centrais de atendimento telefônico “call centers”, serviços de atendimento ao cliente e congêneres de Goiás ficam...

Renegocie suas dívidas; começa hoje o mutirão virtual – Agência Brasília

O Procon-DF, vinculado à Secretaria de Justiça e Cidadania, vai promover mutirão virtual de renegociação de dívidas bancárias...

Começam a valer hoje novas alíquotas do IOF

As novas alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que começam a valer hoje (20), aumentam o custo do...

Infância Segura promove curso sobre sistema de garantias para crianças e adolescentes

A Força-Tarefa Infância Segura, da Secretaria estadual da Justiça, Família e Trabalho, vai promover um curso de formação a distância...
- Advertisement -

Ministro diz que dispõe de R$ 7 bi para investir em mobilidade urbana

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, disse hoje (20) que o governo dispõe de R$ 7 bilhões em recursos a...

Renegocie suas dívidas; começa hoje o mutirão virtual

O Procon-DF, vinculado à Secretaria de Justiça e Cidadania, vai promover mutirão virtual de renegociação de dívidas bancárias a...

Must read

Paulo Trabalho pleiteia disponibilização de atendimento em Libras nas empresas de call center

As empresas de centrais de atendimento telefônico “call centers”,...

Renegocie suas dívidas; começa hoje o mutirão virtual – Agência Brasília

O Procon-DF, vinculado à Secretaria de Justiça e...
- Advertisement -

You might also likeRELATED
Recommended to you