Destaques Paralimpíada: conheça mais sobre o tiro esportivo na Tóquio...

Paralimpíada: conheça mais sobre o tiro esportivo na Tóquio 2020

-

- Advertisment -

Em todo o mundo, é comum pessoas praticarem tiro ao alvo com uma arma de compressão de ar no jardim de casa. Mas um atleta do tiro precisa muito mais do que somente uma “boa mira”. O tiro esportivo é uma modalidade que exige técnica, concentração e muito treinamento.

O tiro esportivo paralímpico é bastante semelhante ao convencional. A principal diferença é a divisão em duas classes: SH1 (atiradores de pistola e de carabina que não requerem suporte para a arma) e SH2 (atiradores de carabina que não possuem habilidade para suportar o peso da arma com os braços e precisam de suporte para atirar). A classificação dos atletas leva em conta o equilíbrio, a mobilidade dos membros, a força muscular e o grau de funcionalidade do tronco. Atiradores com diferentes tipos de deficiências podem competir nas mesmas provas.

A Paralimpíada de Tóquio 2020 terá provas em três distâncias: 10 metros, para carabinas (rifles) e pistolas de ar, 25 metros, para pistola de perfuração (pólvora), e 50 metros, para carabinas e pistolas de perfuração. As disputas ocorrem no masculino, feminino e provas mistas. No Japão serão 158 atletas de 44 países disputando 13 provas.

A modalidade estreou nos Jogos Paralímpicos de 1976, em Toronto (Canadá). A Coreia do Sul e a Suécia são os maiores vencedores, com 23 ouros, mas os asiáticos ficam na frente no quadro de medalhas, pois têm 18 pratas e os suecos, 10.

O Brasil participou de quatro Paralimpíadas no tiro esportivo e nunca ganhou uma medalha. Na Rio 2016 o país foi representado por Carlos Garletti, Alexandre Galgani, Débora Campos e Geraldo Rosenthal.

As provas do tiro esportivo nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 serão realizadas no Asaka Shooting Range, entre 30 de agosto e 5 de setembro.

Alexandre Galgani é o Brasil em Tóquio

O atirador paulista de Sumaré, Alexandre Augusto Galgani, é o representante verde-amarelo no tiro esportivo em Tóquio. Aos 38 anos, esta é a segunda Paralimpíada de Alexandre, que disputou a Rio 2016, mas não conquistou medalha. Ele compete na classe SH2, para atletas tetraplégicos, na prova da carabina de ar na distância de 10 metros. Sua principal conquista foi a prata nos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019. 

Fonte: Agência Brasil

Latest news

Horóscopo do dia: previsões para 17 de outubro de 2021

Marcelo Dalla A previsão do dia dá dicas de como aproveitar as oportunidades de acordo com...

Mais de 80% das mulheres já sofreram assédio nas ruas ou transporte público | SBT Brasil (16/10/21)

No Brasil, mais de 80% das mulheres relatam já ter sofrido importunação ou assédio sexual nas ruas ou...

Cristaloterapia: entenda como funciona a terapia com cristais

Larissa Silva Cristaloterapia: entenda como funciona a terapia com cristais Os cristais não são apenas itens de...

Ação social da Prefeitura leva cultura e lazer para crianças do Eustáquio Gomes

Cultura, lazer e diversão: na tarde deste sábado (16), o Campo do Açude, no Conjunto Eustáquio Gomes, recebeu a...
- Advertisement -

Policial Penal participa de 8ª aula inaugural do COD

  O policial penal Rogério Pereira Lima, que atua no Grupo de Operações Penitenciárias Especiais (Gope) participou da aula...

O Imponderável – 16/10/2021 | CORREIO DF

Inovação e transformação digital. O futuro do trabalho, das cidades e principalmente das pessoas. Nesta edição, o...

Must read

- Advertisement -

You might also likeRELATED
Recommended to you