Destaques Vidas passadas: saiba sua missão e desafio para corrigir...

Vidas passadas: saiba sua missão e desafio para corrigir o seu carma

-

- Advertisment -

Reprodução: Alto Astral

Burca, niqab e hijab: entenda as diferenças e motivações por trás das vestes muçulmanas

Com a volta do Talebã ao poder no Afeganistão, muitas pessoas manifestaram medo sobre o futuro do país diante de um regime liderado pelo grupo. O receio, contudo, não é à toa. Durante os anos em que governou o Afeganistão, de 1996 a 2001, o Talebã impôs uma série de leis e regras que violavam o direito das mulheres, como a obrigatoriedade do uso da burca e a proibição de jovens e adultas de frequentarem escolas e universidades.

A postura radical do grupo e sua interpretação distorcida da Sharia (lei islâmica) volta a ameaçar os direitos conquistados pelas afegãs nas últimas duas décadas. No entanto, na tentativa de se manifestarem contra o Talebã e defenderem as mulheres nas redes sociais, muitas pessoas adotam uma postura preconceituosa para com a religião islâmica e resumem sua crítica e problematização somente ao uso da burca. Sendo que, na verdade, o traje vai muito além do grupo extremista.

Francirosy Barbosa, antropóloga e professora da Universidade de São Paulo, explica que, de modo geral, as vestimentas são construídas culturalmente. Ela comenta que o niqab, por exemplo, era usado pelas esposas do profeta Maomé, ou Mohamed; dessa forma, algumas mulheres entendem que estar de niqab é estar como as mulheres do profeta. Assim, “tem toda uma questão cultural e religiosa. O que é pedido [no Alcorão] é ‘cubra o seu cabelo’. Se você vai pro Irã a moda é de um jeito, na Turquia é outro, no Afeganistão é outro, no Brasil é outro”, a professora da USP observa. “Isso tem a ver com a cultura, com o lugar, com o entendimento, com a interpretação, com as escolas de jurisprudência.”

Iris Cajé, de 33 anos, concorda com a antropóloga ao afirmar que o uso dessas vestimentas está muito associado à região onde cada mulher vive. Brasileira, natural de Alagoas, e muçulmana convertida, ela mora há quase 7 anos em Meca, na Arábia Saudita, com seu marido e filhos.

Ela também explica que apesar do uso de roupas mais modestas e do véu ser previsto no Alcorão, é uma escolha da mulher usá-lo ou não. “No fim das contas, quem vai ter que lidar com isso, é ela”, Iris, que usa seu perfil no Instagram, o Vida Nas Arábias, para falar sobre sua experiência na Arábia Saudita, pontua.

A criadora de conteúdo Fatima Cheaitou, de 23 anos, argumenta que “o que muita gente acaba confundindo é que se algo é obrigatório, a gente usa por obrigação. Não, nós temos livre arbítrio. Então assim, é um dos deveres da mulher muçulmana, mas, ao mesmo tempo, todos nós temos o livre arbítrio”. Desse modo, ela ainda lembra que quando algo é feito por obrigação, esse ato perde o sentido.

Nascida em Salvador, Bahia, hoje Fatima vive com a família no Líbano, país natal de seus pais, e usa seu canal no Youtube, o Fala Fatuma, e seu perfil no Instagram para quebrar estereótipos sobre a religião islâmica. Sobre o uso do hijab, ela diz que se sente empoderada usando o véu. “Ele realmente me empodera, dá uma sensação de poder, apesar de todos esses comentários islamofóbicos, apesar de tudo isso que é difícil, eu uso porque eu quero, eu uso porque é pra Deus, não é pra homem, não é pra minha mãe, não é pro meu pai, não é pra ninguém”, destaca. “É uma coisa muito poderosa de fé.”

Desse modo, Fatima, assim como Iris, faz questão de ressaltar a importância de diferenciarmos cultura, política e religião. “A religião islâmica não vai obrigar ou impor. Quando alguém está impondo algo pra você, acaba sendo um pecado. Você não pode impor algo a alguém. Se a minha religião me deu o livre arbítrio, quem você acha que é pra tirar meu livre arbítrio?”, pondera.

E é justamente aí em que mora o perigo.

A paulista Fabiola Oliveira, de 33 anos, que também usa seu perfil no Instagram para falar sobre islamismo, comenta sobre a necessidade de trazer contexto para a conversa. “A gente tem uma ideia no senso comum de que é tudo igual, tudo a mesma coisa, tudo terrorista. São contextos sociais diferentes, governos diferentes”, ela diz.

Fabiola explica que véus e indumentárias, como a burca, já eram utilizadas muito antes do Talebã em diversas nações – e nunca associadas à opressão das mulheres, mas sim à fé e até mesmo status social. Contudo, com a ascensão de governos patriarcais e totalitários, ocorreu uma instrumentalização da burca, que tira a liberdade de escolha das mulheres.

Assim, para ela, a problematização dos grupos extremistas não deve ser sobre os trajes característicos da religião islâmica já que se tratam de conflitos geopolíticos multifacetados. “Liberdade é sobre direitos de existir naquela sociedade, garantir a minha emancipação de fato. E a libertação das mulheres não está nas roupas. Ser mulher, com burca ou sem burca, a gente tem medo desse sistema que nos oprime”, Fabiola finaliza.

Abaixo, entenda a diferença entre as principais vestimentas femininas da religião muçulmana .

Vestes Muçulmanas
Normalmente usadas por mulheres muçulmanas, as peças variam de acordo com a cultura de cada lugar – Shutterstock

Você viu?

Hijab

Hijab é um termo cujo significado literal tem a ver com barreira/ cobertura/ cortina. Mas a palavra se popularizou e hoje é usada para se referir ao véu islâmico, que cobre cabeça, cabelo, orelhas e pescoço.

Vale mencionar que há diferentes tipos de hijab, como a shayla, dupatta, esarp e tudung, por isso, ele pode ser usado de formas e amarrações distintas ao redor do mundo. Além disso, o hijab não é somente o lenço, uma vez que também está relacionado com uma forma mais modesta de se vestir e de se portar, valendo tanto para homens quanto para mulheres.

Apesar de cobrir os cabelos ser um dever e obrigação na religião muçulmana, o uso do hijab é uma escolha de cada mulher.

Chador

Muito usado no Irã, o chador, ou xador, é um tecido longo que é colocado sobre a cabeça, cobrindo todo o corpo e deixando apenas o rosto à mostra. Normalmente, as mulheres mantêm o chador fechado segurando-o abaixo do pescoço com as mãos.

De origem persa, o chador normalmente é preto, mas também pode ser colorido e estampado.

Niqab

O niqab é uma peça que cobre o rosto, deixando apenas os olhos visíveis. Mais comum na Arábia Saudita, algumas mulheres também vestem luvas, cobrindo as mãos, ao usarem o niqab.

Em alguns países da Ásia e África, há versões do niqab que deixam a testa e os olhos à mostra.

Burca

A burca é uma vestimenta, azul ou preta, que cobre todo o corpo, inclusive o rosto, Na região dos olhos, há uma tela para possibilitar a visão.

Característica do Afeganistão, e de algumas regiões do Paquistão, a burca entrou em evidência após o Talebã tomar novamente o poder no Afeganistão. Apesar da indumentária já ser utilizada há anos por mulheres de certas etnias, em sua interpretação radical da Sharia, lei islâmica, o grupo extremista obriga as mulheres a usarem a veste, tirando delas seu direito de escolha.

Mas a polêmica do traje não para aí. Seguindo o exemplo da França, alguns países da Europa, como Suíça, Bélgica e Holanda, proibiram o uso de vestes que cobrem o rosto, como a burca e o niqab, alegando que elas oprimem as mulheres. As medidas tomadas por essas nações também são amplamente condenadas por alguns grupos, uma vez que retiram o livre arbítrio de mulheres muçulmanas ao impedi-las de exercerem seu direito à religião e de tomarem suas próprias decisões quanto às suas vestimentas.

Abaya

A abaya é, basicamente, um vestido, geralmente, preto, azul ou marrom, usado principalmente por mulheres do Golfo Pérsico. Muitas mulheres usam a abaya com o véu ou com o véu e niqab.

Latest news

Renovação de votos de casamento é tendência no pós-pandemia

Reprodução/Instagram Ludmilla e Brunna são apenas um dos tantos casais famosos que decidiram renovar os votos...

Roblox terá avatares mais realistas e planeja NFTs de itens limitados

Divulgação Roblox terá avatares mais realistas Em suas próximas atualizações, Roblox vai lançar avatares com visuais mais...

Polícia Militar estoura boca de fumo no Gama

Os policiais militares desativaram uma boca de fumo que funcionava em uma casa na Quadra 4,...

PMDF apreende uma espingarda em Planaltina

Por volta das 18h desse sábado (16), policiais militares do Grupo Tático do 14º Batalhão (Gtop...
- Advertisement -

Histórias de profissionais de segurança que se formaram na Aesp e retornaram para sala de aula como professor

Em homenagem ao Dia do Professor, data celebrada neste 15 de outubro, vamos contar a história de alguns...

Horóscopo do dia: previsões para 17 de outubro de 2021

Marcelo Dalla A previsão do dia dá dicas de como aproveitar as oportunidades de acordo com...

Must read

Renovação de votos de casamento é tendência no pós-pandemia

Reprodução/Instagram Ludmilla e Brunna são apenas...

Roblox terá avatares mais realistas e planeja NFTs de itens limitados

Divulgação Roblox terá avatares mais realistas Em...
- Advertisement -

You might also likeRELATED
Recommended to you